local_phone Televendas: (34) 3305-6636
  • date_range 09/02/2020
  • access_time 1 min de leitura
  • person Redação Dr. Bateria

Aprenda a escolher a bateria apropriada para o seu carro

  • A bateria é um dos componentes do carro que tem vida útil. Formada por um conjunto de pilhas ligadas em série ou em paralelo, ela dura, em média, de dois a três anos. Por alimentar o motor de arranque, as luzes e o sistema de ignição, as baterias são de total importância para o funcionamento dos veículos. Explicamos qual a maneira adequada para escolher o componente.
  • É de suma importância considerar que cada modelo de veículo disponível no mercado tem necessidades distintas e demanda uma bateria específica. Para saber qual a ideal para o seu carro, o motorista deve pesquisar, no manual, as características elétricas e os parâmetros do componente.
  • Feito isso, de acordo com o diretor de Engenharia do Grupo Moura, Antônio Júnior, é preciso checar a Capacidade Nominal contida no rótulo do produto. O item se refere à capacidade de acumular energia.
  • Versões diferentes de um mesmo modelo de automóvel, por exemplo, podem demandar mais ou menos energia para manter seus componentes elétricos em perfeito estado. Isso porque quanto mais acessórios, maior a necessidade de energia. “Caso a bateria comprada esteja fora dos padrões do fabricante, o motorista terá problemas elétricos”, explica o especialista.
  • As dimensões da bateria também devem ser levadas em conta. Mesmo com amperagens iguais, os componentes podem ter tamanhos distintos.
  • Outra dica é checar o selo do Inmetro: a certificação de baterias automotivas é obrigatória no Brasil, nenhuma bateria importada ou produzida por aqui pode ser comercializada sem a aprovação do órgão. Escolhendo uma bateria certificada, o consumidor tem a garantia de que o componente possui a mesma qualidade e vida útil do que a instalada na fábrica.
  • Caso tenha alguma dúvida, o motorista deve procurar a ajuda de especialistas. Júnior acrescenta: “Os carros mais modernos possuem algumas exigências na hora da troca da bateria, tais como tecnologia exclusiva e necessidade de parametrizações no sistema elétrico do veículo. Se os procedimentos não forem respeitados, itens como computador de bordo e injeção eletrônica podem ser desprogramados”.

  • Depois de comprar o conjunto de pilhas, deve-se confirmar a posição do polo positivo para garantir que a instalação seja adequada no espaço reservado para o componente. Existem riscos de pane em peças importantes e incêndio caso os polos sejam trocados na hora da instalação. Os prejuízos podem ser grandes.
  • Entenda as siglas
  • As especificações da bateria vêm descritas no rótulo do objeto. Eles são designados por meio de siglas, que têm um significado específico. Entenda o que cada uma delas quer dizer:
    • Ah – Ampère/hora – medida da capacidade de armazenamento elétrico que a bateria é capaz de proporcionar;
    • CCA – Corrente de arranque a frio – indica a corrente máxima que o componente pode fornecer na partida.
    • CA – Corrente de arranque – mede a corrente da bateria à temperatura de 25 ºC. O teste ainda não possui regulamentação, mas consta em algumas baterias do mercado brasileiro.
    • RC – Reserva de capacidade – determina o tempo (em minutos) que o produto plenamente carregado pode fornecer 25 ampères até uma tensão final de 10,5 Volts.
  • O que acontece quando uma bateria com amperagem superior ou inferior à indicada é instalada no carro?
  • A escolha de uma bateria com uma capacidade nominal maior ou menor que o indicado resultará em uma vida útil mais curta e na falha precoce da bateria. Segundo Antônio Júnior, normalmente, o resultado é um baixo nível de carga acompanhado de defeitos como sobrecarga, sulfatação das placas da bateria ou descarga.
  • Instalação de acessórios
  • A instalação de acessórios que não venham de fábrica é uma questão sensível. O veículo sai com um balanço energético apropriado para os componentes originais e a instalação de novos dispositivos, como sons e DVDs, pode afetar o componente. De acordo com diretor de engenharia, “a troca da bateria por uma de maior capacidade nominal não é garantia de um sistema balanceado e a bateria poderá ter sua vida útil comprometida”.
  • Incluindo mais acessórios, é preciso analisar a capacidade do alternador. Se os novos acessórios demandarem muita energia, ele poderá não ter potência suficiente para alimentá-los e ainda conseguir recarregar a bateria.